Retrofit: Saiba o que é esta nova tendência

Fim de ano: Calor, família e Piscina….
27 de setembro de 2017
Glass South America 2018
22 de fevereiro de 2018

O que é Retrofit? Entenda melhor essa tendência!

Com certeza você passou por alguma cidade e viu aquele imóvel velho e feio, e pensou:

Nossa que prédio feio e velho, porque não derrubam ou reformam ele? correto?

O Retrofit é uma tendência  na arquitetura e no design que surgiu na Europa a fim de resolver um problema: O que fazer com essa grande quantidade de edifícios antigos e históricos inutilizados, ou com suas tecnologias ultrapassadas que impossibilitam seu uso.

O termo é utilizado com grande frequência no dia-a-dia por profissionais da área de arquitetura, construção, designers e urbanistas, em referência as renovações e atualizações nos projetos, mantendo as características originais da obra.

Essa tendência surge como uma forma de revitalizar e atualizar edifícios, casas e outras construções trazendo a elas novas tecnologias e designs mais atuais e promissores.

Esses projetos de reconversão passaram a ocorrer em diversos países europeus, até os Estados Unidos tem aderido a está nova tendência, cujas legislações não permitem que o acervo arquitetônicos pudessem ser substituídos.

Sem possibilidade de demolição e criação de novas obras, a opção que restava era de restaurar o já existente. Atualmente só na Europa cerca de 50% dos projetos são frutos do Retrofit. Também um ponto positivo desta tendência é a rapidez dela ser feita com relação a uma obra de reforma total.

Sendo assim, o Retrofit surge como solução ideal para esses edifícios abandonados ou em péssimas condições, preservando o patrimônio histórico, e dando uma nova cara com agilidade a esses antigos espaços.

Muito além de uma simples reforma, o conceito de Retrofit está ligado também com a ideia de preservação da memória e o renascimento do bem arquitetônico modernizando-o e o readequando.

Devem ser encontradas novas soluções para estas fachadas, instalações elétricas e hidráulicas, circulação, proteção contra incêndio e mais. Lembrando que para a alteração de fachadas, é sempre importante verificar as exigências legais e a necessidade de autorização da Prefeitura para a realização da obra.

Após o edifício ser “Retrofitado”, nem sempre tem o mesmo uso ou finalidade que possuía antigamente.

Muitos projetos que adotam o Retrofit  ocorrem por conta de antigas e inapropriadas instalações, seja ela elétrica ou hidráulica, dando espaço para as tecnologias atuais e mais resistentes em utilização e comando.

A revitalização não se limita apenas a construções antigas, também ocorrem em grandes áreas urbanas ao se revitalizar parques e espaços públicos.

Um projeto Retrofit pode sair mais caro que uma obra que começa do zero. Os custos são provenientes aos de uma boa mão-de-obra necessária, de profissionais mais experientes desde o planejamento até a execução deste projeto, atualização de materiais e produtos, o quebra-quebra ou até mesmo ampliação, restauração ou substituição da alvenaria entre outros mais processos.

As etapas de uma mão de obra do Retrofit são:

  • Demolição controlada
  • Reforço de estrutura
  • Fechamento
  • Acabamentos
  • Substituição e modernização elétrica
  • Telefonia e dados
  • Hidráulica e o ar condicionado
  • Piso elevado
  • Fachada

Umas das principais vantagens para quem utiliza o Retrofit é valorizar ainda mais o projeto no mercado imobiliário, além de torna-lo sustentável e mais oportuno para os dias de hoje.

Vejam algumas Obras “Retrofitadas” pela TG:

No detalhe C.Glass utilizado na fachada.

C.Glass utilizado no guarda-corpo.

C.Glass utilizado na fachada.