Channel Glass

Projeto & Design
25 de maio de 2018
Steel Wall
25 de maio de 2018

Cultura sob proteção do vidro

Em março, foram inauguradas duas edificações em que o vidro recebeu grande destaque. Até aí, nada de tão surpreendente, afinal é fato que nosso material se tornou peça essencial para o bom funcionamento de um edifício. O diferencial é que, dessa vez, o vidro se aliou à cultura, exercendo papéis que vão além do decorativo.

Inaugurado no Rio de Janeiro no dia 1° de março, o Museu de Arte do Rio, ou MAR, como já está sendo chamado, é um espaço dedicado à arte e à cultura visual com exposições que contam a história da cidade carioca e sua pluralidade. Essa obra é a primeira entregue pelo Porto Maravilha, projeto de revitalização da zona portuária carioca.

O MAR está instalado em dois prédios vizinhos construídos na primeira metade do século 20: o Palacete Dom João VI, de 1916, tombado no ano 2000 pelo Conselho Municipal de Proteção ao Patrimônio Cultural; e o edifício modernista da década de 1940, onde funcionou um hospital da Polícia Civil. Ambos foram reformados de modo que esse será o primeiro museu brasileiro em funcionamento a obter a certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), selo de maior reconhecimento internacional para atestar a eficiência energética de uma construção. Nesse processo, o vidro teve essencial participação.

Na fachada do prédio modernista foram usados 1.077 m² de vidros da T2G| Technical Glass Group. Utilizou-se para instalação o Sistema Channel Glass – PAINÉIS DE VIDRO (6 mm) autoportantes com fixação composta apenas por perfis leves de alumínio que, posicionados no requadro, tornam-se invisíveis. Os vidros duplos (6+6 mm) são pontilhados (impressos) e possuem películas de isolamento térmico na parte externa e, no interior, de segurança. A composição translúcida do material aprofunda a entrada de luz solar, potencializando a iluminação natural, e também ameniza a intensidade dos raios solares, proporcionando aumento da eficiência energética e conforto acústico.

Orçado em R$ em 76,6 milhões, o MAR possui 15 mil m². Seu projeto, concebido pelo escritório carioca Bernardes+Jacobsen Arquitetura e executado pela Construjato Obras Especiais, previu a ligação entre os dois prédios de estilos tão distintos por meio de uma rampa e de uma cobertura fluida de concreto remetendo ao visual da ondulação do mar.

Confira: